Matérias primas Uma Cachoeira de Flores Amarelas: Traduzindo a Cor em Elementos Olfativos

Uma Cachoeira de Flores Amarelas: Traduzindo a Cor em Elementos Olfativos

09/18/13 14:00:28 (Um comentário)

por: Elena Vosnaki

A classificação é sempre uma ferramente de aprendizagem, um método de organização do nosso mundo, uma gramática. Da mesma forma que os cientistas e leigos classificam ideias e objetos com o objetivo de facilitarem o seu trabalho e conseguirem comunicar, os perfumistas inventaram algumas classificações de odores que obedecem a arquétipos olfativos. A conhecida diversificação de géneros em "famílias de fragrâncias" compreende apenas uma delas. Entre estas famílias, talvez a mais populosa seja a família de fragrâncias florais, consistindo em aromas compostos por flores, seja por meios naturais, idênticos aos naturais ou reconstituições abstratas que mais fazem lembrar uma estufa imaginária do que uma verdadeira flor viva. Entre os florais, existem, apesar as nuances serem aparentemente infinitas, algumas subdivisões são geralmente aceites: floral branco, floral amarelo, floral especiado e por aí fora.

Talvez a categoria mais conhecida delas todas seja a dos "florais brancos". Mencione "floral branco" entre pessoas que conhecem os perfumes e os seus rostos se iluminam em sinal de reconhecimento. Haverá fãs e acólitos do gênero, abarcando a gama que vai desde o indólico (ou seja, intensamente inebriante e exsudando aromas íntimos de calor humano) até ao limpo e bonito. E haverá também dissidentes exatamente pelas mesmas razões: os florais brancos podem ser "exagerados,"ousados demais", "previsíveis demais" ou "femininos demais." A capacidade de aceder à memória é também um reflexo adquirido que atinge um impacto rápido apenas com a menção do termo. A codificação da cor é fácil: os florais brancos são compreendem notas fragrantes de flores brancas, tais como gardénia, tuberosa e jasmim (apesar de o amante de perfumes esclarecido poder descobrir rapidamente que nem todas as flores brancas produzem "fragrâncias florais brancas"!). Mas então e os "florais amarelos?" Será que a mesma regra se aplica? Será que o sinal de cor se traduz numa família olfativa distinta com características específicas? As associações deduzidas apresentam as suas próprias reflexões fascinantes acerca do modo de funcionamento da mente.

"Para o meu gosto e cheiro, os florais amarelos invocam a textura de pólen de abelhas e um cheiro/qualidade aproximada do mel que dão uma faceta sexy e adocicada. Como mel suave com um travo ousado," diz Therese19 no fórum do Perfume of Life. Katy clarifica ainda: "Por um lado penso em perfumes de flores amarelas como uma categoria emocional com perfumes cintilantes, ligeiros, 'soalheiros'. Por outro, penso em perfumes com aromas de flores amarelas tais como mimosa, malmequer, osmanthus e flores de tília (apesar de tecnicamente, as flores de tília e osmanthus serem mais verdes do que amarelas). "Então ela acrescenta brincando, "Talvez haja uma terceira categoria para perfumes em caixas amarelas!"

PAssando os olhos pelas discussões no fórum do Fragrantica, esta última parte não está longe da verdade. Quase todos os perfumes referenciados estão embalados em caixas amarelas! Frequentemente esta opção de design reflete uma fragrância cuja composição é dominada pela mimosa- ou cassie- : e APESAR DISSO, as mimosas e a cassie não são flores amarelas, apesar do aspeto visual dos pompons peludos que crescem nas árvores. O odor da mimosa e da cassie é anísico, aproximando-as do pastis ou ouzo, e para fazer uma analogia de perfume, de L'Heure Bleue (um floral anísico).

O amarelo como cor traz sensações de otimismo, alegria, dinamismo. O poder do amarelo como significante deriva do símbolo mais primitivo de todos: o sol.


Faz todo o sentido escolher o amarelo para a embalagem de um perfume, pelas conotações de claridade, luxo e pela energia trazida pelo sol. A classificação de floral amarelo, ainda que não seja uma ciência exata, segue uma lógica, muito como acontece com os florais brancos, e essa lógica não pode obedecer a outra coisa que não seja as leis do olfato; nomeadamente o fato de o cheiro das flores partilhar moléculas fragrantes.
 

Se os pigmentos naturais são responsáveis pelos tons do mundo vegetal e em particular das flores, os carotenóides são responsaveis pela coloração de laranja a vermelho que várias flores, frutas e vegetais possuem. Nas plantas as cores brilhantes dos carotenóides sãomuitas vezes mascaradas pelos pigmentos de clorofila que são naturalmente verdes (nos vegetais verdes e nas folhas). Por vezes a maturação da planta implica um decréscimo no conteúdo de clorofila (parte natural da função catabólica da planta) que permite aos carotenóides exibirem finalmente os seus tons vívidos, tal como na maior parte das frutas (ananás, laranja, limão, toranja, morango, tomate, paprika, rosa mosqueta) e de muitas flores (tais como a Eschscholtzia californica, a papoila da Califórnia, frésia, azálea, osmanthus ou—atenção que já volto a este assunto—narciso). É fascinante contemplar que até os animais não são imunes à magia dos carotenóides: basta pensar nas cores vivas do flamingo e do canário ou dos camarões, lagostas e salmões!

Os carotenóides são uma classe de hidrocarbonetos (carotenos) e os seus derivativos oxigenados (as xantofilas, palavra que vem do grego, denotam exatamente "folha amarela"). O segredo é que é exatamente a degradação dos carotenóides que que faz surgir o odor. Nomeadamente tanto a oxidação enzimática e a foto-oxidação formam derivados do carbono (compostos C9 a C13) que constituem o perfil de odor das flores amarelas e plantas, como beta e alpha ionona, beta damascenone, safranal e isoforone-4-acetilaldeído. Para tornar tudo mais fácil para quem não sabe de química: este fato é o que faz com que o chá preto, o açafrão, o tomate e o osmanthus partilhem tantos elementos comuns, mais do que você acha possível. As flores amarelas em específico são ricas em beta ionona, uma molécula que as aproxima olfativamente às rosas (que derivam de um constituinte significativo—mesmo que muito pequeno—do seu aroma de beta ionona) e às violetas (cujo perfil de odor é resultado da combinação de alfa e beta ionona).

Talvez os florais amarelos mais característicos sejam os construídos sobre notas de osmanthus (acima) e frésia (abaixo).

O osmanthus é um perfume em si mesmo: rico e ao mesmo tempo delicado, com toques de alperce e pêssego, de fato, um cheiro pseudo-alperce, e facetas suaves de couro. Osmanthus fragrans Lour. var. aurantiacus, exibe a mais alta diversidade de voláteis derivados de carotenóides entre as plantas com flores examinadas, pois aos componentes da degradação do odor derivam dos carotenóides; a sua concentração de 10% em beta-ionona é de assinalar. As fragrâncias com osmanthus que deve explorar (muitas vezes em embalagens deliciosamente tingidas de amarelo) incluem Osmanthe Yunnan na linha exclusiva das boutiques Hermes, a Hermessences, Osmanthus Interdite de Parfum d'Empire, a fórmula original da eau de parfum Dior J'Adore, Osmanthus da the Different Company, Ormonde Jayne Osmanthus (que está na charneira entre flor e fruto) tal como em Nuit de Cellophane de Serge Lutens. Entre todos, o resultado mais realista é de uma marca Chinesa cujo nome traduzido do chinês significa balé. O perfume, simplesmente chamado Osmanthus, é redolente desta delicada flor.

A frésia tem, na natureza, um cheiro levemente especiado (apimentado), doce e alegre composto por muito ionona, como se revela na análise headspace, especialmente porque a frésia não produz os seus segredos fragrantes através dos métodos usuais da perfumaria, sendo antes recreada. Curiosamente, as flores cortadas perdem algum do seu conteúdo em ionona, que é particularmente potente nas flores vivas. As frésias amarelas em particular são diferenciadas de alguma forma da variante de frésia branca mais antiquada; procure as espécies de cores vivas "Gold Flame," "Aladdin" e "Rijnveld Golden Yellow". Lavender Blue, um perfumista da Australia, teve uma resposta interessante quando eu lhe perguntei sobre os florais amarelos: "Eu vi estas [frésias brancas] referenciadas como frésias da avozinha aqui na Austrália. Não encontrei uma boa nota de frésia num bom perfume até agora. Havia uma fragrância concentrada em óleo chamada Apricot and Freesia que tinha um cheiro fantástico. A frésia corta o doce do alperce e a nota de frésia se tornava suave, clara e brilhante mas não dolorosamente aguda. Era maravilhosa em sabonetes e loções corporais!" As frésias brancas são mais especiadas e um pouco retro. Eu gosto de Diptyque Ofresia, apesar de saber que a frésia é uma flor muito difícil de se capturar. Pode muitas vezes ficar berrante ou ensaboada, reminiscente de produtos de banho, mais do que de uma boa fragrância. Antonia's Flowers de Antonia Bellanca Mahoney é uma fragrância cara mas vale a pena experimentar se está interessado nesta representante olfativa de "floral amarelo".

A Tagetes erecta (malmequer) é outra flor rica em carotenóides, apesar de o seu uso como suplemento nutricional seja mais difundido do que o seu uso em perfume (embora o óleo de malmequer seja usado em pequena escala para conseguir efeitos específicos em perfumes, por exemplo em Royal Apothic Marigold Extract), provavelmente porque contém produtos de oxidação insignificantes da luteína (na qual é rico) e é predominantemente terpénico (contem terpenos, que têm um cheiro intenso e acre de vinho fazendo lembrar a terebentina). A Champak / champaca, ainda que de cor vivamente amarela, é vagamente relacionada com o veio comum da ionona que une os "florais amarelos". Sendo os seus principais constituintes de odor o methil benzoato e alfa farnese com um toque de pêssego, mas as iononas contribuem para o bouquê também. Joy de Jean Patou era conhecido por ter também uma dose excecional de champaca na sua fórmula.
 


Por último, o narciso é um caso interessante, não sendo uma flor amarela per se: apesar de o narciso conter carotenóides, a flor viva se parece mais não com o cheiro da ionona (violeta) mas com o acetato de para-cresil que cheira a ... dejetos de cavalo e jasmim (é uma espécie de pseudo jasmim, tal como se poderia dizer que o osmanthus é um pseudo-alperce). De fato, os perfumistas empregam propositadamente acetato de para-cresil para imitar o tom sujo da flor de narciso, como acontece com La XIII Heure em Les Heures de Cartier composto por Mathilde Laurent.
 

O perfumista Jean Claude Ellena classifica o narciso nas flores brancas, inclinando-se obviamente para o verde. O absoluto de Narcissus poeticus (amplificado com grande aprumo numa composição natural, Narcissus Poeticus de Annette Neuffer na sua gama Opulentals) é definitivamente verde e terroso, mas com um toque de outras flores doces, daí esteja entre um cravo e um jacinto. Fleur de Narcisse, uma edição limitada da L'Artisan Parfumeur capturou este caráter terroso maravilhosamente, utilizando uma variedade excecional de narciso produzida pelos Laboratoires Monique Rémy. A variedade junquilho de narciso (Narcissus jonquilla) é um pouco mais doce, inclinando-se em direção à flor branca. Le Temps d'une Fete de Patricia de Nicolai usa uma nota de topo de narciso e um coração de junquilho para conseguir o efeito de um díptico.

Os florais amarelos apresentam uma tapeçaria de nuances apesar de como classificação e gênero eles ainda estejam dando os primeiros passos na consciência do consumidor. Esperemos que este artigo desperte e acenda o interesse na exploração destas matérias-primas!

Elena Vosnaki

Elena Vosnaki é historiadora e escritora sobre perfume. É da Grécia e escreve para o Fragrantica. É a fundadora e editora do Perfume Shrine, um das mais respeitadas pubçlicações independentes online sobre perfumes que contém resenhas de fregrâncias, entrevistas à indústria, ensaios sobre materias-primas e história do perfume, vencedora do Prémio Fragrantica Blog Awards e finalista em numerosos concursos e prémios de blogues.

A sua escrita foi reconhecida nos Prémios Fifi Awards para Excelência Editorial em 2009 e ela também colabora com publicações em todo o mundo.

Traduzido e editado por Miguel Matos (migueldematos).

 



Anterior Matérias primas Seguinte


Advertisement

gatoburi
gatoburi

Interessante. Sou grande fã de florais, e o osmanthus é o meu favorito entre as amarelinhas : Fleur d'Osmanthus da Roger & Gallet, Au Lac da Eau d'Italie, Osmanthus Blossom da Jo Malone ... ele tem mesmo uma nuance frutada e é leve, quase aquático. Recomendo a todos.

Sep
24
2013

Adicione sua resenha

Torne-se um membro desta comunidade perfume online e você poderá adicionar seus próprios comentários.

Advertisement

Advertisement

Novos perfumes

Jeu d'Amour FélinKenzo
Jeu d'Amour Félin

Secret Potion No. 2Bullfrog
Secret Potion No. 2

Secret Potion No. 1Bullfrog
Secret Potion No. 1

Peonia Nobile Edizione SpecialeAcqua di Parma
Peonia Nobile Edizione Speciale

Amber WoodElegantes
Amber Wood

Chesterfield ClubElegantes
Chesterfield Club

Royal VetiverElegantes
Royal Vetiver

Le Ballet BlancRepetto
Le Ballet Blanc

Flower by Kenzo Eau de LumièreKenzo
Flower by Kenzo Eau de Lumière

Burner Perfume No 7: Red DodecahedronAether Arts Perfume
Burner Perfume No 7: Red Dodecahedron

Crema di Lime e CognacKyse Perfumes
Crema di Lime e Cognac

JKyse Perfumes
J

Bois de Santal et TerreKyse Perfumes
Bois de Santal et Terre

Baldessarini Cool ForceBaldessarini
Baldessarini Cool Force

IrisoirSultan Pasha Attars
Irisoir

SapphireThameen
Sapphire

EmeraldThameen
Emerald

RubyThameen
Ruby

Mademoiselle RochasRochas
Mademoiselle Rochas

Regent LeatherThameen
Regent Leather

Green PearlThameen
Green Pearl

RivièreThameen
Rivière

La Petite Robe Noire Eau de Toilette My Cocktail Dress 2017Guerlain
La Petite Robe Noire Eau de Toilette My Cocktail Dress 2017

Anti AntiPMP Perfumes Mayr Plettenberg
Anti Anti

Silence The SeaStrangelove NYC
Silence The Sea

Mont-RoyalClaude Andre Hebert
Mont-Royal

MétropoleClaude Andre Hebert
Métropole

Ville-MarieClaude Andre Hebert
Ville-Marie

Notre-DameClaude Andre Hebert
Notre-Dame

A l`Ombre des ClochersClaude Andre Hebert
A l`Ombre des Clochers

Marcas populares e perfumes: